Irreverência, humor, criatividade, non-sense, ousadia, experimentalismo. Mas tudo pode aparecer aqui. E as coisas sérias também. O futuro dirá se valeu a pena...ou melhor seria ter estado quietinho, preso por uma camisa de forças!
Segunda-feira, 16 de Maio de 2005
traz outro amigo também
Quando foi publicado o álbum “traz outro amigo também” do José Afonso, nos finais dos anos sessenta princípios dos setenta, o meu grande amigo Berto, um dos tipos mais inteligentes e mais cultos que conheço (então estudante na FEUP e actualmente no nível abaixo de catedrático de Engenharia Civil e projectista de vias de comunicação rodoviárias), não resistiu a comprá-lo.
Não era propriamente um revolucionário, mas tudo o que considerava ter qualidade, agradava-lhe. Ainda hoje é assim.
Seu pai, arquitecto talentoso e amante dos livros e da música, tinha uma biblioteca e uma discoteca de discos clássicos que davam gosto. Muitas vezes ouvi obras de grandes compositores na sua casa. Desapareceu da nossa companhia precocemente, quando ainda caminhava para o sucesso e reconhecimento público que merecia.
Pois quando o Berto chegou, depois de ter adquirido o LP, encontrou na sala o pai com um amigo.
Muito satisfeito, exibiu o disco como um troféu e falou dele como de uma obra-prima.
O professor, pois o pai também tinha essa actividade, perante tantas loas, não se conteve:
- Mas quem é esse tipo? Dizes que também é poeta? Ora, poemas desses também eu faço. Ou ainda melhores – e lançou um olhar de gozo ao amigo, que concordou.
- Ó pai! Estás a falar e não ouviste o disco. Portanto, estás a falar do que não sabes.
- Já ouvi esse tipo a cantar na rádio. Não o queiras comparar aos que são verdadeiramente talentosos, como o Camões, por exemplo. Pode ter uma voz agradável e algumas músicas com boa sonoridade, mas…
- Olha, pai! Neste disco, está uma canção cuja letra é um poema de Camões e as outras são quasi todas feitas com poemas do José Afonso.
E lançou o desafio:
- Eu ponho o disco a tocar e tu, e o Sr. Eng. também, no fim dizem qual dos poemas é do Camões. Reconhecem que o Camões é um poeta fora de série, não é verdade?
E esperou, com o ar mais sério do mundo a resposta ao repto que habilmente lançara.
O arquitecto hesitou um pouco. Mas não tinha alternativa, e anuiu. O amigo também.
E o Berto colocou o disco no prato do aparelho e sentou-se.
- Mas não digo os títulos – sentenciou o meu colega.
- Ah! As músicas também são quasi todas da sua autoria – esclareceu.
E vão passando sucessivamente:
“Traz outro amigo também”
- Hum…não me parece Camões. Podes eliminar.
“Maria Faia” (uma canção popular da Beira – Baixa)
- Esta não! Podes avançar!
“Canto Moço”
- Essa não elimines, para já!
“Epígrafe para a arte de furtar” (sobre um poema de Jorge de Sena)
- Hum…aguenta essa!
“Moda do Entrudo”
- Isso não! Passa à seguinte!
“Os eunucos”
- Essa também não! A seguinte!
“Avenida de Angola”
- Isso não é Camões!
“Canção do desterro”
- Aguenta essa! Muitas alusões ao mar!
“Verdes são os campos” (a que tinha como texto um poema de Camões)
- Essa tem laivos da lírica camoniana. É capaz de ser essa!
“Carta a Miguel Djéjé”
- Podes passar! Essa não é de certeza!
“Cantiga do monte”
- Não é má! Mas podes eliminar!
(todas aquelas em que não mencionei o autor tinham poemas do Zeca)
- Então pai? Ainda tens de optar por quatro.
- Põe essas outra vez – ordena o arquitecto.
E o Adalberto lá fez tocar as que não tinham sido eliminadas.
Terminada a segunda sessão, o pai ainda hesitava entre a realmente camoniana e o “Canto Moço”.
- Bom! – disse – é a dos campos verdes.
- É, pai! Mas, afinal, não há assim uma diferença tão grande entre o José Afonso e o Camões! – disparou o jovem com um sorriso mordaz.
- Ora! E esse gajo era capaz de escrever os Lusíadas ou compor a Nona?
- Se calhar fazia melhor! – murmurou entre dentes o Nando.

E agora vão ouvir o disquinho, está bem?
É dos melhores do Zeca, na minha opinião.


publicado por António às 14:37
link do post | comentar | favorito

2 comentários:
De leonoreta a 29 de Julho de 2007 às 22:30
muito bom o zeca afonso.
este homem ainda chega-me perto, sem nunca flar com ele, de varias maneiras. alem dos dias da revolução em que passei a "conhece-lo", ele foi professor das minhas tias em faro, e era tio do marido da minha prima. mas é a admiração que as minhas tias tinham por ele que o fizeram grande aos meus olhos quando elas contavam coisas do professor.
beijinhos


De António a 30 de Julho de 2007 às 00:25
Já sei que és admiradora do Zeca!

Beijinhos


Comentar post

Mais sobre mim
Março 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


Posts recentes

"Eu sou louco!" no Sapo

Explicações no Ribeiro

Diplomacia no Rivungo

Excursão a Zamora

Na Kaiserstrasse

Miguel Ângelo (a casa de ...

Miguel Ângelo Pereira

No norte de Itália

No campo de trabalhos

Seis meses de vida

Fórmula 1 na Boavista

Um filme em Zurich

Uma turma difícil

O anúncio

Sonhos e realidade

Cena de caça no Bambangan...

Em Las Palmas

Lutador anti-fascista

O fármaco milagroso

Uma noite em Londres

Arquivos

Março 2007

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Outros blogs
Pesquisar neste blog