Irreverência, humor, criatividade, non-sense, ousadia, experimentalismo. Mas tudo pode aparecer aqui. E as coisas sérias também. O futuro dirá se valeu a pena...ou melhor seria ter estado quietinho, preso por uma camisa de forças!
Sexta-feira, 22 de Julho de 2005
O anúncio
Nos finais de 1975, eu e mais dois amigos, após alguns agradáveis bate-papos em casa do Fernando, decidimos que todas as quartas feiras nos encontraríamos depois do jantar nesse mesmo local para uma sessão de conversa. Os quatro.
O Fernando, de que já falei num texto aqui publicado em dezasseis de Maio de 2005 com o título de “traz outro amigo também”, era o anfitrião natural pois já estava casado e tinha um filho, uma casa e uma boa sala com confortáveis sofás (além das bebidas, claro). Engenheiro Civil, professor de Vias de Comunicação, de inteligência e cultura superior, era casado com a Maria João que fora nossa colega e também era de Civil.
O Vítor também já aqui foi referido. Lembram-se do jovem industrial do ”Línguas traiçoeiras” colocado à vossa disposição em cinco de Junho deste ano? Licenciado em Engenharia Electrotécnica era o mais novo e o único que não fora nunca nosso colega nem no liceu nem na universidade. Havia sido vizinho do Nando e eram amigos há alguns anos. Eu também já o conhecia. O Duarte só se relacionou com ele na casa das reuniões. Tinha também uma inteligência e cultura bem acima da média.
Finalmente, o meu amigo Duarte, o mais velho, Engenheiro Mecânico, trabalhava na empresa do Vítor e dava aulas ao nível do secundário.
O dono da casa e o industrial eram (e são) politicamente mais direitistas.
Eu e o mais velho, mais para as esquerdas.
Não fora eu me recusar peremptoriamente a jogar às cartas, provavelmente aquilo ter-se ia convertido num casino. Mas tal nunca sucedeu. Foi sempre uma tertúlia onde se conversava e discutia, às vezes com algum calor, tudo e todos.
E as reuniões semanais continuaram. Às quartas-feiras à noite, como já disse. Em alguns anos o dia da semana mudava por força dos horários nocturnos do Duarte.
Esses encontros prolongaram-se durante mais de vinte anos.
Depois o Fernando divorciou-se e passamos a fazer uns jantares mensais (que geralmente são bimensais) que ainda perduram.

Nos primórdios de 1978, já não sei como nem por quem, foi posta a questão de colocar um anúncio no jornal. Um anúncio procurando uma rapariga para namoro. A ideia surgiu por brincadeira mas, piada daqui, piada dali, todos acabamos por achar que era uma boa ideia.
- Só vamos ter uma ou duas respostas – falou um.
- Ainda nos vai aparecer um travesti – palpitou outro.
- Vão aparecer mais respostas do que vocês pensam – disse eu.
- Ainda vai haver casório no fim – gozou o Fernando.
- Ó pá, tu que és casado; não há problema? – inquiriu o sensato Duarte.
- Não! Isto é um brincadeira. E agora estou curioso de saber quantas respostas vamos ter – respondeu o anfitrião.
E passamos à acção.
A primeira coisa a fazer foi redigir o anúncio. Foi fácil.
Saiu uma coisa parecida com o que se segue:

Cavalheiro, solteiro, 30 anos e com formação

superior, procura menina ou senhora com um
máximo de 35 anos, para conhecimento mútuo
e futura relação de amizade. Guarda-se sigilo.
Resposta ao nº 123 deste jornal


Ficou combinado que o Vítor iria ao Jornal de Notícias entregar o anúncio para ser publicado no domingo. As despesas seriam divididas pelos quatro. As respostas chegariam ao JN durante a semana seguinte e na sexta-feira o nosso parceiro iria buscá-las. Quinze dias depois as cartas seriam abertas ali mesmo.
- E a tua mulher? – perguntei.
- Às quartas ela vem sempre mais tarde pelo que quando cá chegar já temos tudo visto – retorquiu o Nando.
Na quarta seguinte a única novidade trazida pelo Vítor, para além de nos dizer que tinha cumprido o combinado e de ter apresentado a conta (que logo pagamos), foi dizer que:
- Os gajos do jornal não aceitaram a nossa redacção. Tive de acrescentar que era para casamento. Caso contrário o anúncio ia para a secção das “Massagens”.
- Isso é um bocado chato – disse o Duarte.
- Bom! Está feito, está feito. Acho que com esse detalhe vamos ter mais respostas – falei.
- Vítor! Não te esqueças de na sexta ir buscar as cartas, ok? – lembrou o Nando.
E chegamos à aguardada quarta-feira.
Parecendo que o fazia de propósito, o nosso correio foi o último a chegar.
Entrou na sala com as mãos atrás das costas, um sorriso mordaz e atirou:
- Boa noite! São capazes de adivinhar quantas respostas recebemos?
- Vinte!
- Doze!
- Vinte e cinco – procurei eu adivinhar.
O sorriso do Vítor já era do tipo orelha a orelha.
- Sessenta e quatro!
E repetiu:
- Sessenta e quatro!
E atirou com uma caterva de cartas para cima da mesa.
- Foda-se! – dissemos em uníssono.
- Impressionante!
- E vamos ler isso tudo?
- Claro!
Seguiu-se a distribuição de tarefas:
- Vamos ver dezasseis cada um – sentenciou o Vítor.
- E seleccionamos as melhores – concluí eu com um sorriso malandro.
- De acordo! Ó Nando, arranja aí uma faca ou um canivete para ajudar a abrir – pediu o Duarte.
Eis que se ouve uma chave no trinco da porta do apartamento.
- É a minha mulher. Escondam isso!
Nem um minuto depois já a Maria João entrava para nos cumprimentar como fazia habitualmente.
Ainda hoje estou para perceber como, num ápice, as cartas desapareceram: debaixo de livros, de cinzeiros, de almofadas, de sofás, de carpetes, de rabos. O facto é que a patroa não deu por nada.
Pouco depois despediu-se com o habitual:
- Tenham uma boa noite. Fiquem à vontade.
Começamos o trabalho. Durante a sua execução alguém lia passagens de uma ou outra missiva. Normalmente dava para rir.
Às vezes mais apetecia chorar, tais os dramas que se conseguiam vislumbrar por trás de autênticos pedidos de ajuda. Até de emigrantes em França chegou resposta.
Acabamos seleccionando dezoito. Seis para cada um dos solteiros.
Cada um de nós contactaria as suas seis “namoradas”.
O Nando, exemplar chefe de família, não ficou com nenhuma. E disse mais:
- Acho que tirando as que vão ser contactadas, devemos dar resposta a todas as gajas que responderam. Acho que isto pode ser uma brincadeira para nós mas, para muitas delas, não o é certamente. E também temos de devolver as fotos às que as enviaram.
Concordamos.
Na quarta-feira seguinte trataríamos das respostas. O anfitrião encarregar-se-ia da logística.

E que resultou dos contactos?
O Vítor, que andava com problemas na empresa, acabou por não contactar nenhuma.
O Duarte, se bem me lembro, só contactou uma. Simpatizou com a moça e começaram a sair juntos.
Eu contactei três:

A primeira, que tinha uma linda letra e uma carta escrita sem erros e perfumada, chamava-se Susana.
Telefonei-lhe para marcar um encontro.
Ficou para o domingo seguinte, à porta de casa dela, depois do almoço.
No dia aprazado, já em pulgas (estas coisas criam alguma adrenalina), meti-me no meu 127 branco e lá fui. Estacionei, toquei à campaínha e disse ao que ía.
Passados poucos minutos apareceu-me uma mulherzinha atarracada, meio anã, feia como um bode (acho que até tinha bigode), que recusou o meu convite para entrar na viatura. “Sem nos conhecermos bem não entro no carro”. Porra! Não teria espelhos em casa? Ou seria ceguinha? Enfim: teríamos que dar uma volta a pé. Claro que a minha vontade foi fugir a toda a velocidade. Mas os meus princípios de cavalheirismo obrigaram-me a ser educado. E, contrariado e olhando para todos os lados para ver se ninguém me topava, lá fui dar a passeata com a horrorosa Susana. Azar o meu. Passado pouco tempo passo por um carro onde estava o Manel e a família. Lá os cumprimentei com um uivo e a olhar de lado e segui caminho. Mas a minha companheira era também asmática. E, ao fim de algumas centenas de metros, ao caminhar soltava um autêntico assobio dos brônquios. Façam um pequeno esforço e imaginem eu a caminhar com um aborto sibilante. Nem me quero lembrar mais disso. O passeio acabou depressa. Despedimo-nos. E a coitada ainda me perguntou se queria sair no domingo seguinte. Disse que sim; que depois telefonava. Claro que esta conquista foi logo riscada da lista!

A segunda era uma mulher fisicamente bem interessante. Saímos algumas vezes, de carro, mas só falava de astrologia. Vinha carregada de livros para me provar que aquilo era tudo verdade. E para me adivinhar o futuro. Mas, de facto, os astros que eu queria ver era na cama, não eram aquelas idiotices de Marte e Vénus e conjunções e não sei que mais. Foi de vela em dois tempos.

À terceira, a Lúcia, telefonei-lhe e marcamos encontro para um domingo. Chovia copiosamente. Entrou para o meu estimado 127 (foi o primeiro carro novo que comprei, com dinheiro ganho por mim; ainda me lembro da matrícula – PS-16-53).
A Lúcia era uma bonita e elegantíssima mulher de 31 anos. Com uns lábios carnudos e uns dentes alinhados e alvíssimos. Cabelos negro azeviche, lisos e curtos. Pele branca de princesa. Olhos como tições, levemente amendoados e feitos com riscos de timidez. Não vou dizer muito mais. Tivemos um envolvimento que durou cerca de seis meses. Um ano depois eu casava com a minha actual mulher.
Mas, tenho de vos confessar, ela foi um caso lindo na minha vida.
Já estavam a perceber, não estavam?

Não vou entrar em mais pormenores.
Estabeleci a mim próprio limites para o que poderia escrever destas histórias verdadeiras. E nesta cheguei ao limite. Embora não tenha chegado ao fim.


publicado por António às 18:35
link do post | comentar | favorito
|

2 comentários:
De Moura ao Luar a 15 de Setembro de 2007 às 23:50
Opá essa coisa dos limites... deixas-me cheia das curiosidades


De António a 16 de Setembro de 2007 às 09:41
Olá!
Pois é!
Há limites para escrever memórias (pelo menos para já...).
Mas não há na ficção, e o resto da história aparece na 2ª novela que está no "Eu sou louco!" do Blogspot, como ficção.
Acho que se chama "Reencontro"...

Beijinhos


Comentar post

Mais sobre mim
Março 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


Posts recentes

"Eu sou louco!" no Sapo

Explicações no Ribeiro

Diplomacia no Rivungo

Excursão a Zamora

Na Kaiserstrasse

Miguel Ângelo (a casa de ...

Miguel Ângelo Pereira

No norte de Itália

No campo de trabalhos

Seis meses de vida

Fórmula 1 na Boavista

Um filme em Zurich

Uma turma difícil

O anúncio

Sonhos e realidade

Cena de caça no Bambangan...

Em Las Palmas

Lutador anti-fascista

O fármaco milagroso

Uma noite em Londres

Arquivos

Março 2007

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Outros blogs
Pesquisar neste blog
 
Visitantes

Free Hit Counter