Irreverência, humor, criatividade, non-sense, ousadia, experimentalismo. Mas tudo pode aparecer aqui. E as coisas sérias também. O futuro dirá se valeu a pena...ou melhor seria ter estado quietinho, preso por uma camisa de forças!
Quarta-feira, 29 de Junho de 2005
O Senhor Engenheiro
Podem ter acesso à minha Homepage (ou Página pessoal ou Webpage) a partir deste blog.
Quem já a visitou, pode ter lido que este vosso amigo licenciou-se em Engenharia Química, tendo feito a última cadeira em Outubro de 1972 mas, só depois de efectuado um estágio obrigatório de três meses é que me foi concedida a licenciatura. A certidão respectiva tem data de oito de Março de 1973.
E pensam que depois de ter o canudo – efectivamente tenho o diploma à moda antiga, feito à mão, escrito com letra gótica (?), em latim, sobre pergaminho e com um medalhão em prata, pendente – passei a ter o direito de usar o título de Engenheiro?
Não!
Para isso é preciso estar inscrito na Ordem dos Engenheiros.

Conheço o caso de um velho professor catedrático que, atingida a idade própria, salvo erro os setenta anos, jubilou.
Era membro da Ordem mas, em face da nova situação, escreveu para lá a dizer que não pretendia continuar como associado.
Pois não querem saber que, alguns dias depois, recebe uma carta a dizer que o seu pedido de demissão tinha sido registado, mas lembrando-lhe que a partir desse momento não poderia usar mais o título profissional de Engenheiro?
Como pessoalmente nunca tive interesse nenhum em inscrever-me nessa associação, nunca tive direito a usar o título profissional.
Na prática, todavia, todos os licenciados são chamados de “Senhor Engenheiro”.
E não só. Os Engenheiros Técnicos também. E muita mais gente.
É de todos sabido a apetência que há por uma grande parte dos nossos compatriotas em ser chamado por Senhor Engenheiro ou Senhor Doutor (ou no feminino, claro está).
Na empresa onde trabalho, nomeadamente os fornecedores, tratam quasi toda a gente por Engenheiro. Quer o fossem, quer o não fossem. E não é que, até hoje, só conheci uma pessoa que, perante tal “promoção”, dizia:
- Eu não sou engenheiro. Gostava muito de o ser, mas não sou, de facto – e soltava uma sonora gargalhada.
Todos os outros calam-se muito caladinhos e lá vem as cartas, os faxes, os e-mails, os telefonemas dirigidos ao Senhor Engenheiro Malaquias ou Barnabé que, muitas vezes nem um curso técnico completo tem.
Acho que isto revela bem a importância de se ter um título em Portugal.
Muitas vezes, quando telefono para determinado destino, depois de dizer o meu nome (Castilho Dias, nunca usando o título) a menina pergunta:
- O senhor é Engenheiro?
Naturalmente que eu respondo afirmativamente.
Pois nem imaginam como as deferências se multiplicam. E agora já não tanto, mas há vinte ou trinta anos, até metia dó.
Mas quero dizer-vos que tenho muito orgulho em ter feito o meu curso. Deu-me muita canseira e muito trabalho.
E até sabe bem ser tratado pelo título. Mas nunca fiz questão em ser chamado como tal. Quem quiser chama, quem não quiser não chama.

Bom!
Vinha isto a propósito de eu não poder usar oficialmente o título profissional.
Acontece que, por razões do interesse da empresa onde presto os meus serviços, pediram-me recentemente que me inscrevesse na Ordem.
Respondi que se a empresa tinha vantagem nisso eu estava disponível a inscrever-me, desde que a entidade patronal tratasse de tudo e tudo pagasse.
E assim foi feito.
Já recebi uma carta a dizer qual o meu número de membro da Ordem.
Portanto, minhas amigas e meus amigos, a partir deste momento muito respeitinho pelo Senhor Engenheiro.


publicado por António às 14:45
link do post | comentar | favorito
|

Mais sobre mim
Março 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


Posts recentes

"Eu sou louco!" no Sapo

Explicações no Ribeiro

Diplomacia no Rivungo

Excursão a Zamora

Na Kaiserstrasse

Miguel Ângelo (a casa de ...

Miguel Ângelo Pereira

No norte de Itália

No campo de trabalhos

Seis meses de vida

Fórmula 1 na Boavista

Um filme em Zurich

Uma turma difícil

O anúncio

Sonhos e realidade

Cena de caça no Bambangan...

Em Las Palmas

Lutador anti-fascista

O fármaco milagroso

Uma noite em Londres

Arquivos

Março 2007

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Outros blogs
Pesquisar neste blog
 
Visitantes

Free Hit Counter