Irreverência, humor, criatividade, non-sense, ousadia, experimentalismo. Mas tudo pode aparecer aqui. E as coisas sérias também. O futuro dirá se valeu a pena...ou melhor seria ter estado quietinho, preso por uma camisa de forças!
Sábado, 7 de Maio de 2005
Maldito póquer!
Não sou, nem nunca fui, apreciador dos chamados jogos de mesa.
Reconheço que podem ser um bom entretenimento e, mais do que isso, um bom exercício mental.
Penso mesmo que o xadrez é o único jogo em que o factor sorte não existe. É puramente intelectual ou cerebral ou mental ou racional ou o que lhe quiserem chamar.
Em miúdo ainda joguei alguma coisa, com uns tios, nomeadamente a sueca e outros cujo nome não me recordo. E, curiosamente, com cartas tendo os desenhos usados em Espanha. Bem mais sugestivos, por sinal.
Como adolescente joguei póquer ao tostão. Mas foi sol de pouca dura.
Na tropa, em Angola, aprendi a mexer as pedras no xadrez.
E foi tudo.
De facto, não gosto! Não me perguntem porquê, pois não sei. Deve ser genético. O meu pai também nunca jogava.
Fazendo uma inflexão no discurso, lembro-me de ter lido um conhecido livro de Dostoievsky, “O jogador”, que abordava os problemas psicológicos e comportamentais de um viciado no jogo. Mas pouco mais recordo. Acho que, se tiver oportunidade, ainda o lerei de novo, um dia.
Vem isto a propósito de um antigo colega do liceu, o Zé das Iscas, tipo inteligente e de apurado sentido de humor, alto e sempre com um sorriso no rosto que, desde novo, se habituou a jogar póquer com um grupo de amigos. Faziam-no à noite, em casa de um ou de outro. Eram casas independentes, grandes o que permitia que eles estivessem razoavelmente acobertados dos olhares mais ou menos vigilantes dos pais ou donos das habitações.
E o hábito foi-se tornando vício para alguns. O Zé, ganhador habitual, foi dos que se deixou apanhar.
Mais tarde vim a saber que casara e tinha duas filhas. Não chegou a tirar nenhum curso superior mas tinha um bom emprego. E estava lançado para criar uma empresa própria.
Cheguei a encontrá-lo uma vez, curiosamente no funeral do pai de um amigo comum, teríamos trinta e poucos anos. Estava como sempre: sorridente e mordaz.
Passados dois ou três meses, encontro um velho colega, que me atira:
- Sabes quem morreu?
- Sei lá! – respondi.
- Foi o Zé! O Zé das Iscas! – anunciou o meu amigo.
- Não me digas! O Zé das Iscas morreu? Como foi isso? – retorqui, naturalmente espantado.
- Suicidou-se!
- Oh pá! Até estou zonzo! – fiz uma pausa e continuei – Estive com ele há pouco tempo e estava porreiro. Mas o que é que aconteceu?
- Oh pá! Segundo dizem foi por causa de dívidas de jogo. Deu um tiro na cabeça – concluiu o portador da má nova.
E fora, de facto.
Pela minha parte só posso dizer, descansa em paz, Zé!
Provavelmente alguns de vós conhecereis algum outro Zé que tenha sido vítima do vício do jogo.
Mas há muitos outros, viciados, que não chegam a esse extremo, mas tem que viver de forma bem complicada, na corda bamba, diria eu.
Acho que é caso para mudar o nome à peça:
De "Maldita cocaína!" para "Maldito póquer!".


publicado por António às 18:22
link do post | comentar | favorito
|

4 comentários:
De leonoreta a 14 de Julho de 2007 às 20:29
ola antonio
e cá estou na minha visita semanal aos blogs, principalmente os que ja conheço. e na medida em que estás numa pausa á espanhola vou ter muito que ler aqui neste blog de arquivo morto.
o jogo e a bebida sao vicios terriveis.felizmente nao tenho nem um nem outro mas tenho o da escrita por exemplo. ninguem é perfeito, rsss
jogo crapot. é uma paciencia que exercita a percepçao e o reflexo rapido (gognitivo).
abraço da leonoreta


De António a 14 de Julho de 2007 às 22:30
Querida Leonor!
Tu és praticamente o único leitor deste blog-clone.
Se tiver pachorra, durante a Pausa vou mudar para cá mais uns quantos posts depois de relidos e eventualmente rectificados (mas de forma muito ligeira; praticamente só corrigir erros).

Beijinhos


De leonoreta a 15 de Julho de 2007 às 07:33
erros?
quais erros?
por amor de deus!


De António a 15 de Julho de 2007 às 09:51
Erros de dactilografia, erros de pontuação, erros ortográficos, erros de sintaxe, erros de morfologia, erros de troca de nomes, etc....
Ou achas que eu não cometo erros?
ah ah ah

Beijinhos


Comentar post

Mais sobre mim
Março 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


Posts recentes

"Eu sou louco!" no Sapo

Explicações no Ribeiro

Diplomacia no Rivungo

Excursão a Zamora

Na Kaiserstrasse

Miguel Ângelo (a casa de ...

Miguel Ângelo Pereira

No norte de Itália

No campo de trabalhos

Seis meses de vida

Fórmula 1 na Boavista

Um filme em Zurich

Uma turma difícil

O anúncio

Sonhos e realidade

Cena de caça no Bambangan...

Em Las Palmas

Lutador anti-fascista

O fármaco milagroso

Uma noite em Londres

Arquivos

Março 2007

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Outros blogs
Pesquisar neste blog
 
Visitantes

Free Hit Counter