Irreverência, humor, criatividade, non-sense, ousadia, experimentalismo. Mas tudo pode aparecer aqui. E as coisas sérias também. O futuro dirá se valeu a pena...ou melhor seria ter estado quietinho, preso por uma camisa de forças!
Sexta-feira, 29 de Abril de 2005
Bronze nas dunas
O Sr. Américo era um homem dos seus cinquenta e tal anos.
Fanático da praia, costumava ficar numa barraca perto da minha, quero dizer, da minha família.
E como isto aconteceu durante vários anos consecutivos, o conhecimento mútuo surgiu naturalmente.
Além de ser uma defensor acérrimo dos benefícios para a saúde do ar do mar, do exercício físico, dos banhos em água fria (aqui no norte também não era fácil ter água à temperatura da do mar do Algarve), procurava bronzear-se o mais possível (mas com os cuidados inerentes, embora naquele tempo ainda não se falasse no cancro da pele provocado pelo sol).
Pessoa metódica, quasi obstinada, era muitas vezes o primeiro a chegar ao areal. Coisa de que se orgulhava. E brincava connosco, os mais novos:
- Não tem vergonha? Em vez de aproveitarem este iodo e este sol, nas horas em que ele é melhor, bem cedinho, ficam na cama. Que desperdício! Ponham os olhos aqui no velhote!
E fazia todas as manhãs e todas as tardes o seu “cross” pelo extenso areal.
O facto é que era um homem saudável!
O seu gosto em andar bem bronzeado levava-o a ir passar uma meia hora para as desertas dunas onde, estendida a toalha e removido o calção de banho, se comprazia a bronzear as partes que não podia, por decoro, exibir em público.
Mas às vezes o destino é um pouco maldoso e, numa bela manhã, estando o Sr. Américo com o trajo de Adão (mas sem parra) a bronzear as bochechas, ouve um pequeno ruído.
Ah, maldição!
Não é que um corpulento cão, veraneante não habitual por aquelas paragens, resolveu abocanhar o calção de banho do nosso amigo e afastar-se calmamente do local?
O nosso protagonista, atrapalhado como é de calcular, lá começou a chamar o bicho:
- Ó cão! Anda cá! Ó pá! Dá-me cá isso! Então?
Como que a gozar, o cachorro andou um bocado, parou, mirou o nosso herói que nessa altura já se tinha levantado e posto a toalha à volta da cintura (felizmente estava munido de toalha, senão...) e prosseguiu a sua lenta caminhada.
- Ó filho da puta! Dá-me cá os calções!
É o dás! Mais uma paragem. Mais uma olhadela desafiadora. E retomou o percurso para maior irritação do Américo.
Até que, finalmente, e para alívio do banhista, o canídeo largou o troféu.
A cena parece que demorou uma meia hora (eu acho que teria sido menos, mas o tempo psicológico para a vítima do atrevido canídeo foi seguramente maior que o tempo real).
Vestidos os calções, o nosso velho amigo lá regressou à base.
Lá chegado, começou a rir-se, a rir-se, a rir-se...e nunca mais parava.
Até que finalmente narrou a sua aventura de nudista roubado arrancando gargalhadas com fartura.
Já não me lembro bem se voltou a ir fazer bronze para as dunas. Acho que sim, mas certamente tomando algumas precauções suplementares.
Uma coisa é certa: a peripécia deu uma boa história (com um toque de erotismo e tudo), ou não deu?


publicado por António às 14:30
link do post | comentar | favorito
|

7 comentários:
De Maria Papoila a 26 de Março de 2007 às 20:07
Olá António:
Ri às gargalhadas com a história do Sr. Américo... eu conheci um Carlos assim mas as dunas... estão a ser desfeitas em Esmoriz... e na Caparica...
Lembrei-me de Rui Reininho...

Gnr - Dunas

Dunas, são como divas
Biombos indiscreto de alcatrão sujo
Rasgados por bocados de hortelã
Deitados nas Dunas, alheios a tudo
Olhos penetrantes
Pensamentos lavados

Refrão

Lambemos os lábios, refrescos, gelados
Selamos segredos
Saltamos rochedos
Em camara lenta como na TV
Palavras a mais na idade dos "PORQUÊ

Dunas como nunca são divas
Quem nos visse deitados de cabelos molhados bastante enrolados
Sacos camas salgados
Nas Dunas, roendo maçãs
A vegta de aguoestódio, boiando vazias as ondas da manhã





De leonoreta a 1 de Abril de 2007 às 15:02
ó fdp, dá-me os claçoes disseo o velhote

bonito nome para um cão. nunca me tinha lembrado desse. proximamente farei a sugestão a quem quiser adquirir um, rsss
abraço da leonoreta. enfim... o teu jeito de contar historias já vem de longa data.

abraço da leonoreta


De António a 1 de Abril de 2007 às 15:57
Que quer dizer fdp?
ihihihihihihihih


De leonoretta a 1 de Abril de 2007 às 21:17
não quis usar a expressão completa por simples mariquice. mas se a usaste no teu artigo e já que me perguntas eu trancrevo-te: "ó filho da puta...."
apenas usei as iniciais. achei graça a todo o texto mas gostei especialmente dessa parte.
abraço da leonoreta


De António a 1 de Abril de 2007 às 23:04
Eu sabia.
Estava a provocar-te.
Beijinhos


De leonoretta a 2 de Abril de 2007 às 11:49
ah!
fui apanhada. afinal ontem foi dia das mentiras.
por acaso estranhei nao saberes mas eu tambem so soube ha muito pouco tempo.
abraço da leonoreta


De António a 2 de Abril de 2007 às 12:36
És muito ingénua, querida Leonor!
Mas também não me admiro:
és muito nova e pequenina.
ah ah ah

Beijinhos


Comentar post

Mais sobre mim
Março 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


Posts recentes

"Eu sou louco!" no Sapo

Explicações no Ribeiro

Diplomacia no Rivungo

Excursão a Zamora

Na Kaiserstrasse

Miguel Ângelo (a casa de ...

Miguel Ângelo Pereira

No norte de Itália

No campo de trabalhos

Seis meses de vida

Fórmula 1 na Boavista

Um filme em Zurich

Uma turma difícil

O anúncio

Sonhos e realidade

Cena de caça no Bambangan...

Em Las Palmas

Lutador anti-fascista

O fármaco milagroso

Uma noite em Londres

Arquivos

Março 2007

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Outros blogs
Pesquisar neste blog
 
Visitantes

Free Hit Counter